"E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito."
Romanos 8:28



Como posso aprender a confiar em Jesus?
Vamos refletir um pouco sobre esta importante pergunta.

Não podemos confiar em alguém que não conhecemos, e esse é o segredo de aprender a confiar em Deus. Quando alguém diz: "Confie em mim", temos uma de duas reações. Ou podemos dizer: "Sim, eu vou confiar em você", ou podemos dizer: "Por que eu deveria?" No caso de Deus, confiar nEle é a consequência natural quando entendemos por que deveríamos.

A principal razão por que devemos confiar em Deus é que Ele é digno de nossa confiança. Ao contrário dos homens, Ele nunca mente e nunca deixa de cumprir as Suas promessas. "Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo falado, não o cumprirá?" (Números 23:19, Salmo 89:34). Ao contrário dos homens, Ele tem o poder de realizar os Seus planos e propósitos. Isaías 14:24 nos diz: "Jurou o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará." Além disso, os Seus planos são perfeitos, santos e justos, e Ele faz com que todas as coisas cooperem para o bem daqueles que O amam e são chamados segundo o Seu propósito santo (Romanos 8:28). Se nos esforçarmos para conhecer a Deus através da Sua Palavra, veremos que Ele é digno da nossa confiança, a qual vai crescer diariamente. Conhecer a Deus é confiar nEle.

Podemos aprender a confiar em Deus ao vermos como Ele provou ser confiável em nossas vidas e nas vidas dos outros. Em 1 Reis 8:56 lemos: "Bendito seja o SENHOR, que deu repouso ao seu povo de Israel, segundo tudo o que prometera; nem uma só palavra falhou de todas as suas boas promessas, feitas por intermédio de Moisés, seu servo." O registro das promessas de Deus está em Sua Palavra para que todos possam lê-lo, assim como o registro da Sua realização. Documentos históricos verificam esses eventos e falam da fidelidade de Deus para o Seu povo. Todo cristão pode dar testemunho pessoal da confiabilidade de Deus ao vermos a Sua obra em nossas vidas, cumprindo as Suas promessas para salvar as nossas almas, usar-nos para os Seus propósitos (Efésios 2:08 ao 10) e consolar-nos com a paz que excede todo o entendimento ao corrermos a corrida que Ele planejou para nós (Filipenses 4:06 e 07, Hebreus 12:01). Quanto mais experimentarmos da Sua graça, fidelidade e bondade, mais confiaremos nEle (Salmo 100:05, Isaías 25:01).

Uma terceira razão para confiar em Deus é que realmente não temos uma outra alternativa sensata. Devemos confiar em nós mesmos ou em outros que são pecadores, imprevisíveis, não confiáveis, de sabedoria limitada e que frequentemente fazem más escolhas e decisões influenciadas pela emoção? Ou, ao invés, devemos confiar no Deus todo-poderoso, onisciente, gracioso, misericordioso e amoroso, sabendo que Ele tem boas intenções para nós? A escolha deve ser óbvia, mas deixamos de confiar em Deus porque não O conhecemos. Como já foi dito, não podemos esperar confiar em alguém que seja essencialmente um estranho para nós, mas isso é facilmente sanado. Deus não se fez difícil de encontrar ou conhecer. Tudo que precisamos saber sobre Deus, Ele graciosamente disponibilizou na Bíblia, a Sua Santa Palavra para o Seu povo. Conhecer a Deus é confiar nEle.


Fonte: Texto de GotQuestions, vídeo de One Time Blind.

Fogo para Missões 
"Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará."
Salmos 37:05


Este é o irmão Heron Souza (link), e ele nos presenteou com um vídeo inspirador. A simplicidade, a clareza e o amor com que ele compartilha o convite ao Senhor Jesus neste vídeo, é realmente inspirador! Que o Senhor Jesus receba toda glória e honra, por sua vida, e que você seja cheio do Espírito Santo, irmão Heron.

E você, leitor, seja abençoado, encorajado, edificado para compartilhar também a salvação que há apenas em Jesus Cristo. Você já compartilhou as Boas Novas de Jesus Cristo com alguém hoje?

E você que ainda não conhece Jesus, quero repetir o convite do irmão Heron.

Você já entregou o teu caminho ao Senhor? Você já entregou a sua vida ao Senhor Jesus? Você confia no Senhor JEsus? Em quem você tem confiado? Quero te convidar a aceitar a Jesus Cristo, como seu único e suficiente Salvador, e a somente nele confiar e caminhar no Seu caminho. Por que Ele também diz na Palavra...

"Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim."
João 14:06

Pense nisso, e aceite a Jesus Cristo, como seu único e suficiente Salvador, Ele está te esperando de braços abertos!



Fonte: Vídeo publicado pelo Irmão Heron Souza (link), no Grupo Fogo para Missões (link), do Facebook.

Fogo para Missões

"Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns."
1 Coríntios 9:19 ao 23.


A internet se tornou um campo muito vasto para a propagação de todo tipo de informação, e especialmente para a divulgação de algumas seitas nas redes sociais. Há todo tipo de "profeta" e até mesmo há aquele que se auto-proclama "o novo mediador entre Deus e os homens", entre outras heresias já conhecidas em tempos pré-internet. E como temos respondido a estes enganos?

Me preocupa muito ver crentes compartilhando todo tipo de correntes, e não combatendo estas heresias. Por isso, buscando algum material relevante, sério e edificante sobre este tema, encontre este texto, do Pr. Fernando Galli, que pode nos trazer duas importantes reflexões: a importância de refutar as heresias, e a importância de fazer isso em, e com, amor pelos perdidos (pelos sectaristas como ele mesmo escreve).

Outro ponto que me chamou a atenção, foi a franqueza com que ele se retrata em relação a forma que ele mesmo considera ter abordado hereges até alguns anos atrás. Razão pela qual, considero este texto rico e importante para sua edificação no amor de Cristo. Que esta publicação nos faça refletir sobre a dedicação amorosa com que temos agido para com os de fora.

Vou deixá-los com o texto do Pr. Fernando, mas antes, quero compartilhar mais uma verdade bíblica.

"Sejam sábios no procedimento para com os de fora; aproveitem ao máximo todas as oportunidades. O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um."
Colossenses 4:05 e 06

E agora, uma parte do texto do Pr. Fernando Galli, o texto completo você poderá acessar através do link ao final desta página! Deus te abençoe.

O REFUTAR E O EVANGELIZAR NUMA NOVA ABORDAGEM APOLOGÉTICA CRISTÃ
Os apologistas do século 20, inspirados na apologética dos primeiros séculos da Igreja Cristã, criaram uma fama de polemistas ao defender a sã doutrina. Embora conseguimos bons resultados em conscientizar muitas igrejas sobre as heresias das seitas, criamos um abismo entre os sectários e nós. De fato, esquecemo-nos das sábias palavras inspiradas ao Apóstolo da Graça, nosso irmão Paulo, que se dirige aos cristãos em Corínto, conforme nosso texto inicial, de 1 Coríntios 9:19 ao 23.

Os tempos mudaram, o sectarismo aumenta dentro e fora de nossas igrejas, portanto, torna-se imperativo que refutemos as heresias aos sectários com um tom de amor, sem camuflarmos a convicção em nossas crenças. Há cinco anos, escrevi uma brochura intitulada O VENENO DAS SEITAS E HERESIAS. Confesso que hoje ela não teria mais esse nome, embora as seitas e suas heresias não tenham deixado de ser perigosas para os que não se firmaram na sã doutrina. Por isso, esta brochura está sendo refeita, com as devidas refutações, mas ensinando nossos irmãos a dialogar com os sectários, movendo-os a raciocinar com base nas Escrituras Sagradas.

Afim de ilustrar como nossos métodos de abordagem precisam ser mudados, resolvi publicar em breve uma nova brochura como forma de humildemente reconhecer em que falhei, ou pelo menos o que faltou, para que Deus pudesse ficar mais contente comigo. Reconheço, então, que faltou evangelismo. E sem querer dividir a culpa com outros apologistas de maior expressão do que eu, alguns deles também falharam nesse aspecto.

(...)

Muitos não são movidos pelo Espirito Santo a evangelizar. E muitos acabam por seguir o estilo crítico da apologética que mais ofende do que defende a fé, que só vacinava um grupo são, mas não leva a cura ao grupo doente. Em contrapartida, houve homens que, peço a licença de mencionar os seus nomes, mesmo denunciando as heresias das seitas, deram de seus recursos para financiar esse trabalho e até mesmo para evangelizar os sectários. Entre eles, Pr. Natanael Rinaldi, Preb. Paulo Cristiano, Pr. João Flávio Martinez, Pr. Paulo Romeiro, Pr. Paulo Pimentel, Pr. Esequias Soares, Pr. Joaquim de Andrade, Pr. Paulo Sérgio Batista, e outros, que deram valiosíssima contribuição na apologética cristã, e o fazem até hoje. A estes irmãos, tenho sido grato a Deus pelo seu exemplo honesto, íntegro e abenegado em evangelizar sectários.

Apologética e Evangelismo andando de mãos dadas
Como exemplo do que eu falhei na ao trilhar os caminhos apologéticos, tentarei abaixo reescrever o modo como propus há cinco anos refutar as heresias e o modo como tenho feito de dois anos para cá.

Observe:

Exemplo 01 - Meninos de Deus - O Sexo é livre
Heresia - “Se Deus põe amor em seu coração, no coração de um homem por outro homem, como pode isso ser considerado mal, desde que o amor vem de Deus? Olhe para David e Jônatas. David disse: ‘Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas: quão amabilíssimo me eras! Mais maravilhoso me era o teu amor do que o amor das mulheres.’” - Homos – A Question of Sodomy, página 6, julho de 1978.

Refutação Antiga - A Bíblia ensina que os efeminados e os sodomitas (homossexuais) não herdarão o reino de Deus, mas merecem a morte no julgamento de Deus (1 Coríntios 6:09 ao 11; Romanos 1:26 ao 32).

Nova Refutação Apologética-Evangelística - Os que creem que o sexo seja livre devem receber atenção dobrada da nossa parte, pois precisamos concentrar nossos esforços em ajudá-los a encaram o amor de Deus não como uma licença para a libertinagem sexual. Precisamos bondosamente estudar com eles as diferenças bíblicas entre amor amigo (philéo), amor baseado em princípio (ágape), amor erótico (éros) e amor entre parentes (storgé). Quando abordarmos o assunto, principalmente com os homossexuais (gays, lésbicas), devemos fazer como se estivéssemos no lugar deles, e nos perguntar, com oração: "Como eu gostaria de ser tratado, se eu cresse como eles?", "Qual seria o melhor momento de ler a eles 1 Coríntios 6:09 ao 11 e Romanos 1:26 ao 32?" ou "O que seria bom eles saberem sobre Jesus e a salvação antes de os ensinarmos verdades bíblicos que lhes poderão causar dores e conflitos?".

Exemplo 02 - Igreja Local de Witness Lee - João Batista não permaneceu fiel a Deus
Heresia - “‘João Batista é um exemplo de alguém que começou na linha da vida, na incumbência de Deus, mas que no fim se desviou.’ ‘Ele mesmo disse: “Convém que Ele (Jesus) cresça e que eu diminua.’ (João 3:30). Entretanto, em vez de diminuir, João cresceu. Ele gerou um discipulado. Certa vez, quando João encontrou Jesus, dois de seus discípulos seguiram-no, mas ele mesmo não foi.’ ‘No início ele foi totalmente contra os fariseus, chamando-os de raça de víboras, mas depois igualou-se a eles.’ (Mateus 9:14). “João começou a perder totalmente a direção de Deus.” ‘Ele se orgulhou, até mesmo chegou a competir com Cristo; tinha seus próprios discípulos e andava no seu próprio caminho. Por isso o Senhor permitiu que sua cabeça fosse cortada.” - Jornal Árvore da Vida (órgão de divulgação do grupo), Ano 3 - Número 25, p. 6.

Refutação Antiga - Jesus ensina, após a morte de João Batista, que dentre os nascidos de mulher, ninguém é maior do que João Batista. Isso mostra que ele permaneceu fiel a Deus (Mateus 11:11 ao 14; 17:11 ao 13; compare com Malaquias 4:05 e 06).

Nova Refutação Apologética-Evangelística - Este erro de interpretação que os seguidores da Igreja Local de Witness cometem nos dá uma idéia do quanto eles precisam de nossa ajuda amorosa. Uma pergunta delicada a eles poderia ser de grande ajuda: "Por que Jesus disse que ninguém foi maior do que João Batista?" Ou "Se João Batista não permaneceu fiel a Deus, por que Jesus disse que o menor no Reino dos céus é maior do que ele? Não seria essa uma prova de João Batista estaria neste reino? O Fato de Jesus ter dito que o Pai era maior do que Jesus tirava-o do Reino de Deus?" (João 14:28). Mesmo que a pessoa não concorde com essa argumentação, não permita que esse pormenor a afaste de você. Seja sempre educado, ouça-a e descobrirá outros erros que terá de lidar com amor e respeito. Não faça uma tempestade em copo d'água apenas porque ela acha que João Batista não estará no céu. Mas, caso ache necessário insistir no assunto, jamais use palavras de desprezo ou zombaria ao modo de ela interpretar a questão. De fato, pode até ser que se você ajudá-la a se convencer de que esta interpretação é errônea, ela conseguirá, aos poucos, enxergar erros maiores ensinados por esse grupo.

Exemplo 03 - Testemunhas de Jeová - Jesus é o anjo Miguel
Heresia - “Em 1 Tessalonicenses 4:16 (ALA), a ordem de Jesus Cristo para a ressurreição começar é descrita como “a voz do arcanjo”, e Judas 9 diz que o arcanjo é Miguel. Seria apropriado assemelhar a chamada dominante dada por Jesus com a de alguém inferior a ele em autoridade? É, portanto, razoável que o arcanjo Miguel seja Jesus Cristo. (É interessante que a expressão “arcanjo” nunca é encontrada no plural nas Escrituras, dando assim a entender que há apenas um.)” – Raciocínios à Base das Escrituras, página 219.

Refutação Antiga - Quem geralmente toca trombeta são os anjos. (Apocalipse 8:07 ao 13; 10:07; 11:15) Jesus vem com os anjos. (2 Tessalonicenses 1:07) Entre esses anjos, estará o arcanjo que anunciará a vinda de Jesus. Assim como vir ele com a trombeta de Deus não prova que é Jesus quem tocará a trombeta, já que são os anjos que fazem isso, assim também o brado de arcanjo não será de Jesus, mas do arcanjo. Jesus não é anjo, pois ele é Deus (João 20:28) e é o Criador dos anjos (João 1:03; Colossenses 1:15, 16; Hebreus 1:06).

Nova Refutação Apologética-Evangelística - Seria muito proveitoso você, com educação, perguntar às Testemunhas de Jeová se ela reconhece que os anjos são usados por Deus para anunciar eventos importantes. (Apocalipse 8:07 ao 13) Depois, pergunte se elas concordam com você que a Bíblia ensina que Jesus vem com os anjos. (2 Tessalonicenses 1:07) Se elas concordarem com isso, use isso como o que elas chamam de "base para acordo mútuo" (para nós "ponto de contato"). Então, pergunte a ela por que acreditar que Jesus vir com voz de arcanjo indica que Jesus é o dono dessa voz? Ouça a resposta toda, sem cortá-la, e quando ela lhe devolver a palavra, responda com a seguinte pergunta: "Se Jesus vir com voz de arcanjo indica que Ele é arcanjo, então por que você não admite que Ele é Deus, já que Ele vem com a trombeta de Deus?" Se ela for sincera, dirá que pensará melhor no assunto. São poucas TJs que reagirão assim, pois a maioria não admitirá. Mas lembre-se: Paulo se fazia de tudo para com todos para ganhar alguns, e não ganhar todos, ou ganhar um debate.

Exemplo 04 - Legião da Boa Vontade - Satanás deve ser amado
Heresia - “Amigos meus, oremos por Satã, amemo-lo de todo o coração”. - A obra Mensagem de Jesus para os Sobreviventes, página 29.

Refutação Antiga - O que você pode esperar de uma seita que ensina que é para ORAR por Satã, ou Satanás? A Bíblia diz que nós devemos odiar o que é mau. (Salmo 97:10) E diz também que devemos nos opor ao Diabo, não que devemos orar por ele (Tiago 4:07).

Nova Refutação Apologética-Evangelística - Os seguidores da LBV crêem como o Espiritismo: que todos os espíritos podem evoluir e um dia se tornarem espíritos puros. Entre eles, a LBV inclui Satanás. Em vez de ironizar que eles possam orar por Satã, você poderia dizer que embora não concorde com isso, a oração é sem dúvida um grande privilégio que os cristãos têm. Não se esqueça disso: Falar do plano de salvação aos espíritas e derivações é muito mais importante do que discutir se devemos orar ou não para Satã. Quando o Espírito Santo convencer seguidores da LBV sobre como Jesus salva, com certeza eles não crerão mais que Satã merece nossas orações. Aliás, poucos seguidores da LBV sabem dessa declaração de orar por Satã. Será que tocar nesse assunto seria a melhor estratégia? Pode até ser que em poucos casos sim, quando causar um impacto fosse o meio de haver um despertamento. Mas o que melhor teríamos para fazer é falar de Jesus a eles, e de como essa pessoa poderá ser salva. Evidentemente, surgirá o assunto reencarnação ou ressurreição. Estar preparado para isso o ajudará a evangelizá-los com amor e dar uma razão para a sua fé.

Conclusão
Tenho sonhado muto com uma apologética menos agressiva, ou nada agressiva, mas respeitosa. É bem verdade que muitas vezes teremos que, dentro de um diálogo com sectários, sermos resolutos, falar com com convicção, todavia sempre devemos bucar não nos sentirmos afetados com as ignorâncias teológicas do ministério do erro. Recomendo a oração para que o Espírito Santo nos motive a falar com amor, buscando uma alma a mais para Jesus. Escrevi uma oração-poema, e gostaria de que ela servisse como uma ferramenta a mais, por mais simples que ela seja, a se importar com os sectários.

Importando-se com os sectários

Senhor meu Deus,
em nome de seu Filho Jesus,
capacita-me a entender o pensamento dos que não te conhecem.
Senhor, que eu possa ter paciência ao ouvir as heresias que deles me sobrevêm.

Pai, em nome de Jesus,
que teu Espírito Santo coloque em minha boca palavras de libertação,
e que eu jamais esteja empenhado em deixá-los sem argumentação,
mas que a tua argumentação através dos meus lábios os movam a argumentar melhor.

Pai, em nome de Jesus,
que o meu exemplo de vida cristã ajude os sectários a compreenderem que Cristo é real,
que Cristo é o caminho sem que os líderes deles precisem ser o atalho,
e que sou uma pessoa espiritual para a honra e o louvor do teu Santo nome.

Oh, Pai, em nome do meu Salvador, Cristo Jesus,
que o conhecimento da tua Santa Palavra contagie corações sinceros,
que o entendimento que vem do teu Santo Espírito convença-os da verdade,
e que a sabedoria de meus lábios aponte a eles o caminho da verdade.

Pai, em nome de Jesus,
que os argumentos dos sectários que eu não souber responder me movam a saber mais,
que as falácias dos pensamentos humanos jamais me desanimem,
para que as tuas maravilhosas verdades os animem a te servir verdadeiramente.

Pai, em nome de Jesus,
use-me para alcançar corações enlaçados pelo homem,
use-me para raciocinar com eles de forma gentil, sem julgá-los pessoalmente,
use-me para o teu nome ser-lhes um dia toda fonte de frutos do Espírito.

Pai, em nome de Jesus,
dê-me coragem e discernimento para falar cada palavra no momento certo,
dê-me o teu Espírito Santo para fazer-lhes perguntas bem colocadas,
dê-me o teu pensar, para que eu possa convencer os que te contradizem.

Pai, em nome do teu Filho Deus, Senhor e Salvador,
que a liberdade gloriosa dos filhos de Deus alcance os sectários através da minha vida,
que as trevas caiam diante da luz do evangelho através da minha história de conversão,
e que a salvação se espalhe pela minha boca como boas novas de um Deus feliz.

Pai, em nome de Jesus,
aceite meus esforços de ganhar pessoas para Jesus,
como gratidão por teres me escolhido como teu filho,
porque só Tu és amor, só tu és a Salvação.

Pai, em nome do teu Filho amado que morreu por todos nós,
prometo jamais ser um egoísta e guardar a tua verdade, Cristo Jesus, só para mim;
prometo fazer dos meus lábios um arauto da salvação pela fé em Jesus,
até o dia em que mais perto de ti estiver, no teu Reino Eterno, amém.

Fernando Galli


---

   ATENÇÃO!   
Devido sua importância, vamos abordar evangelismo e heresias em nossas próximas publicações.

Fogo para Missões
"Disse-me: Não basta que sejas meu servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os fugitivos de Israel; vou fazer de ti a luz das nações, para propagar minha salvação até os confins do mundo."
Isaías 49:06



Exatamente hoje, 14 de maio, começam as celebrações dos 70 anos da restauração da nação de Israel, e o historiador Michael Oren considera o ressurgimento do estado de Israel, um verdadeiro milagre.

Israel iniciou hoje (18) as celebrações de seu septuagésimo aniversário de independência. Em 14 de maio de 1948, David Ben Gurion anunciou o estabelecimento do Estado judeu. Quase dois mil anos depois de ter “desaparecido”, Israel voltar a tomar o seu lugar entre as nações.

O vice-ministro de Diplomacia Pública e historiador de Israel, Michael Oren, lembro que poucas horas depois de seu ressurgimento, seis nações árabes atacaram o país, inconformados com a decisão da ONU de permitir que os judeus reocupassem a terra de seus antepassados.

Ele aponta para os elementos da “Guerra da Independência”, que ocorreu entre maio de 1948 e janeiro de 1949. “Havia 600 mil pessoas aqui, mais ou menos do tamanho de uma cidade ocidental de porte médio. Eles tinham pouco armamento e combateram seis exércitos árabes ao mesmo tempo. Israel não tinha economia forte, nem aliados e parte de sua população eram sobreviventes vindos da Europa depois do Holocausto!”, destaca.

Após desse “batismo de fogo”, Israel não apenas sobreviveu, também prosperou muito. “Nossa economia tem uma das maiores taxas de crescimento do mundo. Temos um dos exércitos mais poderosos do mundo; somos líderes mundiais em tecnologia e Israel regularmente fica nas listas de países mais poderosos do mundo”, resume Oren.

Para ele, “Em perspectiva histórica, a situação de Israel não é menos que um milagre.

O sentimento do primeiro primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu é o mesmo. Durante a Conferência de Mídia Cristã, em outubro de 2017, o premiê foi perguntado “por que Israel tenta ajudar tantas outras nações quando está cercado de inimigos por todos os lados?”

Tikun Olam – a reparação do mundo.
Netanyahu disse à plateia: “Porque somos uma luz para as nações. É o cumprimento dessa grande profecia. Na verdade, é isso que Israel está fazendo. Vocês podem ver isso acontecendo em lugares como Haiti, Filipinas ou México”.

Ele deu vários exemplos, destacando que, quando Israel enviou ajuda ao México após o recente terremoto devastador no ano passado, os mexicanos os aplaudiram nas ruas.

Eles simplesmente amam Israel e você vê isso em muitos lugares ao redor do mundo. As pessoas dizem, o que vocês estão fazendo? A resposta é: Estamos cumprindo nossos valores mais profundos, Israel é uma luz para as nações”, assegurou.

Mas há outra profecia que está se cumprindo: Israel não está apenas indo para as nações, mas agora as nações estão vindo para Israel.

Isso aconteceu de diferentes maneiras. A recente convenção Our Crowd atraiu para Jerusalém 10.000 pessoas, de 90 países de todo o mundo. Era um encontro de inovação e investimento de alta tecnologia.

Jonathan Medved, o fundador da Our Crowd, explicou que o que está acontecendo hoje é um reflexo do que aconteceu em Israel por 4.000 anos. “Nós somos chamados de a nação startup. Sempre fomos sonhadores aqui em Israel, desde o tempo de Abraão e dos profetas, sempre houve notícias incríveis vindo deste país”, afirma.

Shahar Shilo, consultora do Museu da Torre de Davi, na entrada da Cidade Velha de Jerusalém. Ele lembra que muitos acreditam que o espaço fazia parte do palácio do Rei Herodes onde, há dois mil anos, ocorreu o julgamento de Jesus.

O especialista assegura que, desde a sua fundação, Israel preservou os locais históricos e bíblicos, escavou seu antigo passado e abriu suas portas para pessoas de todas as religiões. Ele diz que essa é uma das missões especiais de Israel.

O turismo é muito mais do que apenas ganhar dinheiro. O turismo é fazer amigos. Pelo turismo criamos parceria com pessoa de todo o mundo. Estamos sempre dizendo, antes de vir para Israel quando você lê a Bíblia, você só imagina. Quando visita Israel, cada história, seja sobre Paulo, Pedro, Maria ou Jesus. Tudo é vívido e vibrante, eu diria em full HD ou 4k. Algo acontece em sua alma e você nunca mais será o mesmo”, descreve, entusiasmado.

Seja ajudando o mundo através do alcance humanitário, trazendo inovação para os investidores globais ou sendo administrando os lugares bíblicos, muitos acreditam que estes são simplesmente um cumprimento da missão de Israel para o mundo – Tikun Olam – o princípio judaico de reparar o mundo. Como o profeta hebreu Isaías escreveu há quase 2.700 anos, ser, de fato, uma luz para as nações.


---

UMA DAS RAZÕES DE ISRAEL SER LUZ PARA SUA VIDA

Primeiramente, ore por Israel, para que haja paz dentro de seus muros! Adore ao Senhor, pois Ele mesmo tem zelado por cada uma de Suas palavras.

Israel é uma prova histórica, viva, da fidelidade de Deus. Por isso insistimos tanto, aqui no Fogo para Missões, para que você estude a Palavra, examine as Escrituras, pois Deus não tem compromisso com palavra de homens, heresias, "unções" e frases de efeito gospel, Deus tem compromisso com Sua palavra.

Por isso, se certifique de estar andando sob a Palavra de Deus, e descanse na certeza de Sua fidelidade.

Fogo para Missões
"Qual de vocês que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma, não deixa as noventa e nove no campo e vai atrás da ovelha perdida, até encontrá-la? E quando a encontra, coloca-a alegremente sobre os ombros e vai para casa. Ao chegar, reúne seus amigos e vizinhos e diz: ‘Alegrem-se comigo, pois encontrei minha ovelha perdida’. Eu lhes digo que, da mesma forma, haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não precisam arrepender-se."
Lucas 15:04 ao 07


Que é a obra de ganhar almas?
Embora nós estejamos bem familiarizados com a palavra Evangelismo, e muitas referências a este tema, é importante neste momento analisarmos a realidade do que realmente é ganhar almas, quero apresentar este tópico extraído do livro "Esforça-te para Ganhar Almas", de Orlando Boyer, no qual nos parece ser de vital importância.

Ganhar almas não é:
1. Não é profissão: Deus nunca quer que a obra mais elevada e santa, a de ganhar almas, se torne uma profissão. Mas o amor à fama, o amor ao salário e o amor de governar leva muitos a vestirem-se com trajes eclesiásticos e aceitar títulos de oficio. Na história da igreja, as grandes colheitas de almas foram sempre fruto daqueles que trabalhavam sem ideia de profissionalismo, anunciando a Palavra por toda parte, à sua própria custa.

2. Não é dar esmolas: Muitos crentes estão deixando mais e mais de anunciar a mensagem que dá vida à alma, para dar comida e roupas aos pobres. Que a igreja deve compadecer-se dos pobres e dar é certo, mas não será o numero total de pães distribuídos que o justo juiz quer ver no ultimo dia, mas o numero de almas salvas. Pães e roupas não podem estancar a sede da alma: “qualquer que bebe desta água, tornará a ter sede”. (João 4:13).

3. Não é reformá-las: Não se deve pensar nem dar a entender ao perdido, que a salvação é adquirida pelo fato de alguém levantar a mão, deixar de fumar, recusar bebida forte, e abandonar todos os vícios. Se o homem pudesse salvar-se, só por exercer o poder da vontade, Deus não teria dado seu Filho para sofrer a agonia do Getsêmane e do Calvário.

3. Não é magnetizá-las: A alma atraída pela personalidade ou eloquência do pregador permanece fiel só durante o tempo que o pregador fica com ele. “Meu ensino e a minha pregação não foram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se baseie na sabedoria dos homens, mas no poder de Deus” (1 Coríntios 2:04 e 05). O grande numero de almas que Paulo ganhou para Cristo, não foi atraído pela personalidade do apóstolo. “Sua presença corporal era fraca” (2 Coríntios 10:10).  

Diz-se que Jônatas Edwards, escrevia seus sermões por extenso, lia-os em voz monótona, pagina por pagina, segurando o manuscrito perto dos olhos por que era míope e, apesar disto, algumas vezes o auditório agarrava-se aos bancos com medo de cair no inferno dos pecadores, tão vividamente representado em palavras de fogo, e de tal forma, que multidões foram conquistadas para Deus. Era a Palavra do Senhor que os atraía e não a personalidade do homem.

Ganhar almas é:
É pescar:Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens” (Mateus 4:19). Eu vos farei! Então, os pescadores de homens são feitos por Cristo. Todos os dons necessários, Ele lhes concede. "…serás pescador de homens” (Lucas 5:10).

A palavra nesta passagem no original traduzida literalmente, quer dizer: “apanhar homens vivos”, dando a ideia de salvá-los completamente do perigo mais horrível. Encontra-se esta palavra só uma vez mais nas Escrituras, em (2 Timóteo 2:26), “E se livrem do laço do diabo, tendo sido feitos cativos (apanhados vivos) por ele…”. Satanás também apanha almas vivas. Que hoste grande de cativos ele está conduzindo para o inferno! Alguns dos nossos queridos estão nesta procissão, e nós permaneceremos inativos?

2. É ceifar:Rogai, pois, ao Senhor da seara, que envie trabalhadores para a sua seara”. (Mateus 9:38). Não é o dinheiro, nem os crentes, que envia o ceifeiro para suportar o calor, e o labor do dia inteiro, mas, sim “o Senhor da seara”. (Salmos 126:05 e 06).

3. É procurar o que se havia perdido: Toda a circunvizinhança comove-se ao saber que uma criancinha se perdeu no deserto. O pastor fiel não pode descansar, nem provar comida, a noite inteira, se não achar a ovelha perdida. Leia completamente Lucas 15 e peça a Cristo que lhe dê sua compaixão abrasadora para com um mundo pródigo, e lhe ensine a procurar almas perdidas.

4. Ganhar almas é privilégio supremo do crente: Nem a Gabriel, nem a Miguel, nem a qualquer dos anjos dos céus, é permitido participar desse gozo de ganhar almas. Os anjos como sabemos são espíritos e não tem corpos humanos, jamais os anjos poderiam dizer: Jesus me salvou me curou etc. Somente aos homens e mulheres que passaram pela experiência da salvação, foi-lhes permitido pregar o Evangelho e ganhar almas. (Daniel 12:03).

---

Fonte: Marcos Moraes, extraído do site da CONAMPE.

Fogo para Missões
"Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações. Todos estavam cheios de temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos pelos apóstolos. Todos os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos."
Atos 2:42 ao 47


Pesquisa ouviu 1500 pastores de igrejas consideradas pequenas

Nem programa de TV ou de rádio nem internet. Um estudo recente publicado pelo Instituto  LifeWay revela que as igrejas pequenas que apostam na evangelização pessoal são mais propensas a crescer.

O levantamento, que entrevistou 1500 pastores de igrejas evangélicas com menos de 250 membros, foi conduzido em parceria com o Centro Billy Graham e o Centro Caskey para a Excelência da Igreja, ligado ao Centro Teológico Batista de Nova Orleans.

A pesquisa investigou quantos convertidos cada igreja teve nos últimos 12 meses e se essas pessoas permaneceram na igreja depois da profissão de fé”, explicou a LifeWay, que acrescentou: “Os pesquisadores compararam os 20% das igrejas com mais convertidos que permaneceram após um ano e os 50% com o menor número de convertidos que permaneceram”.

A conclusão é que as igrejas com maior taxa de permanência dos novos convertidos são as que fazem esforço contínuo para evangelizar. Isso inclui apelos nos cultos para “aceitar Jesus” e envolvimento com as comunidades ao redor dos templos. Outro fator importante na retenção de convertidos foi a realização de aulas de discipulado pelo menos a cada seis meses.

Scott McConnell, diretor executivo da LifeWay diz que, embora pareça óbvio, “convidar não cristãos que venham à igreja, compartilhar o Evangelho com eles, acompanhá-los e ensinar que façam o mesmo com outros gera crescimento”.

De modo resumido, essas são as características das igrejas com maior número de convertidos retidos:
93% dizem que sua igreja realiza atividades fora da igreja (pelo menos a cada seis meses) visando compartilhar o evangelho.
92% ouvem constantemente os relatos de membros da igreja envolvidos na evangelização e tentativas de alcançar não cristãos.
68% oferecem aulas para novos participantes pelo menos a cada seis meses.
66% fazem semanalmente apelos para que as pessoas se comprometam com Cristo após uma apresentação clara do evangelho.
57% preparam em seu calendário de atividades, programas periódicos para compartilhar a fé com pessoas fora do templo.
51% oferecem treinamento para evangelismo pessoal pelo menos a cada seis meses.
26% dedicam pelo menos 30% do seu orçamento para evangelismo e missões.

Publicações BlogFpM que podem te ajudar
Estas são algumas publicações, aqui do BlogFpM, que podem ajudar você a entender melhor o Evangelismo Pessoal. Com isso, desejamos que você converse com a liderança de sua igreja local e procure saber como se envolver pessoalmente no compartilhar das Boas Novas de Jesus Cristo.

#87 - TESTEMUNHO PESSOAL, EVANGELISMO PESSOAL

#126 - TREINAMENTO EVANGELISMO PESSOAL

#190 - O EVANGELHO, AS BOAS NOVAS DE JESUS CRISTO
---

Fonte: O texto sobre a pesquisa é de Jarbas Aragão pelo site GospelPrime, os links são do BlogFpM.

Fogo para Missões
“E porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra; e sabereis que eu, o SENHOR, disse isto, e o fiz, diz o SENHOR.”
Ezequiel 37:04


Dedicaremos as próximas 03 publicações para celebrar o aniversário de 70 anos de Israel como nação moderna, após a restauração de sua independência em maio de 1948. Cremos que é importante para nós, como cristãos, cumprir o que está escrito no Salmo 122:06 "Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam", e esta é uma importante oportunidade para lembrarmos disso.

Não é sem motivo que a terra de Israel é o ponto central da história do mundo e da religião.

Nunca houve neste mundo algo sequer remotamente comparável à história e à sobrevivência do povo judeu. Sua própria existência configura um milagre. É verdade que no passado sempre existiram grandes povos e soberanos. Reis e ditadores têm exercido seu domínio, em parte sobre regiões imensas. No entanto, praticamente nada permanece da sua importância, exceto achados arqueológicos em museus e algumas citações nos livros de história. Estas falam de grandes nomes e feitos e de guerras terríveis. Todavia, quase sempre a força vital desses povos esgotou-se nisso. Sua história é composta de constantes idas e vindas. Um povo substitui outro. Hoje ainda uma potência mundial pode tornar-se amanhã quase inexistente ou, no mínimo, desinteressante. Contudo, Israel, o povo de Deus, permanece para sempre!

“Tu mesmo fizeste de Israel o teu povo particular para sempre, e tu, ó Senhor, te tornaste o seu Deus.”
2 Samuel 7:24

Com nenhuma outra nação Deus agiu como fez com o povo judeu. Ao longo de sua história de 4.000 anos, ele foi por duas vezes expulso totalmente da sua terra, e por duas vezes retornou a essa mesma terra. Nenhuma outra nação na história da humanidade foi desarraigada duas vezes da sua terra, dispersa até os confins da Terra e trazida de volta à mesma região. E se o primeiro exílio – no cativeiro babilônio – e o posterior retorno já foram algo incomum, o retorno dos judeus nos tempos modernos, depois de quase 2.000 anos de dispersão pelo mundo, é um absoluto milagre.

Nada mais do que seis anos após a Conferência de Wannsee, em que os nazistas decidiram a aniquilação definitiva da “raça judia” – a assim chamada solução final da questão judaica, que vitimou seis milhões de judeus – proclamou-se em 14 de maio de 1948 o novo Estado de Israel. Duas vezes ao longo de sua história Israel foi dissolvido e duas vezes perdeu sua independência nacional. Jerusalém, sua capital, foi arrasada, e o centro da sua vida religiosa, o Templo, foi profanado e destruído. As cidades e os povoados de Israel foram devastados, o povo deportado e disperso por terras estrangeiras. Mesmo assim, tudo foi duas vezes reconstruído, habitado e desbravado.

Nenhuma outra nação ou etnia jamais foi dispersa em todas as direções para depois, apesar disso, sobreviver como grupo facilmente reconhecível e identificável. Do extremo Oriente ao Oeste bravio, das alturas do Norte às profundezas do Sul, não há quase nenhuma nação que não tenha abrigado judeus. O espantoso é, porém, que o povo judeu sobreviveu como povo em vez de submergir nas grandes maiorias dos outros povos com que foi misturado. Devemos ter em mente que não se trata do período de uma geração ou mesmo de um século, mas de praticamente 2.000 anos. Durante todo esse longo período, o povo judeu continuou sendo o povo judeu. Até mesmo o idioma hebraico não se perdeu, mas foi reavivado. Quantas vezes esse povo foi cruelmente perseguido e violentamente dizimado! Tentou-se extingui-lo e ele foi empurrado de um país para outro. O grande adversário de Deus queria e quer aniquilar essa “prova divina”, o povo judeu.

Pogroms e perseguições contra judeus não ocorreram somente na Alemanha, mas também na Romênia, na Rússia, na Espanha, na França, na Polônia – praticamente no mundo todo. Até agora, as nações árabes desencadearam seis guerras contra Israel, e até hoje sua população é pressionada por meio de terrorismo e provocações. Por um lado, esse povo talvez seja admirado e respeitado, mas por outro é ainda muito mais odiado e desprezado. Mesmo assim, ou talvez até por causa disso, sua longa e penosa trajetória cheia de tanta dor, lágrimas e sangue não dobrou o povo. Sua identidade e nacionalidade se manteve com todas as suas particularidades, e sempre se destaca com nitidez. Assim torna-se inevitável perguntar o que fez com que os judeus se mantivessem ao longo dos milênios. Como é possível que esse povo exista até hoje com sua identidade étnica?

Há de existir alguém sobrenatural por trás disso, que zela por esse povo e não permite que desapareça do cenário e do mapa mundial. Se o próprio Deus vivo não fosse o seu Deus e se Ele não cumprisse suas promessas, também Israel não existiria mais: teria desaparecido há muito tempo, do mesmo modo como outros povos antigos. Afinal, onde estão hoje os hititas, jebusitas, fenícios, moabitas, babilônios, medos e como quer que se chamem? Desapareceram, e no entanto eram povos grandes e poderosos, em parte altamente cultos.

A história de Israel começou com um único homem – Abrão – a quem Deus Se revelou há cerca de 4.000 anos, e ela se estende até o dia de hoje. Quem já esteve em Israel teve a oportunidade de experimentar e ver com os próprios olhos este fato. Nós que vivemos hoje somos testemunhas contemporâneas deste povo e da história de Deus com o Seu povo. Podemos enxergar a presença de Deus e como Ele mantém o controle nas mãos. Cada vez mais, a história de Deus com os homens se desenrola no ponto central da Terra, na região mais importante do mundo, em Israel (Ezequiel 5:05). 

Aquele é o ponto de encontro de três continentes (Europa, Ásia e África) e, principalmente, das três religiões monoteístas (judeus, cristãos e o islã). Não é sem motivo que essa terra é o ponto focal da história do mundo e da religião. O fio condutor da história desse povo jamais se rompeu – ainda que vez por outra assim parecesse.

---


Fogo para Missões
“E porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra; e sabereis que eu, o SENHOR, disse isto, e o fiz, diz o SENHOR.”
Ezequiel 37:04


Dedicaremos as próximas 03 publicações para celebrar o aniversário de 70 anos de Israel como nação moderna, após a restauração de sua independência em maio de 1948. Cremos que é importante para nós, como cristãos, cumprir o que está escrito no Salmo 122:06 "Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam", e esta é uma importante oportunidade para lembrarmos disso.

Israel completa 70 anos de renascimento, "sinal profético". Em 29 de novembro de 1947, a ONU fazia votação histórica, sob a liderança de um brasileiro

Quem visita o Museu do Holocausto Yad Vashen, em Jerusalém, pode contemplar, sobre os umbrais da saída, o versículo “E porei em vós o meu Espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra; e sabereis que eu, o SENHOR, disse isto, e o fiz, diz o SENHOR”. (Ezequiel 37:04).

A passagem bíblica é vista como uma promessa de que Deus iria restaurar aos judeus a sua terra, mesmo após seis milhões deles terem sido mortos durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Apenas dois anos depois, em 29 de novembro de 1947, o mundo soube, pelo rádio, que a profecia de Ezequiel de restaurar “o vale dos ossos secos” estava se cumprindo.

Após cerca de dois mil anos, renascia o Estado de Israel como nação independente. Esse novo capítulo em sua história teve como um dos protagonistas o brasileiro Oswaldo Aranha, presidente daquela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Ele anunciou a aprovação da Resolução 181 da ONU. Foram 33 votos a favor, 13 contra e 10 abstenções, ficava decretada a  formalização de Israel. A declaração de independência só viria a ocorrer em 14 de maio de 1948.

A proposta da Resolução 181 foi feita pelo UNSCOP (United Nations Special Committee on Palestine), órgão criado para elaborar a partilha da chamada Palestina até então sob mandato britânico. O Reino Unido controlava a região desde o fim da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), quando o Império Otomano perdeu finalmente o domínio sobre ela.

Essa data histórica para o povo judeu, completa 70 anos. Toda a população judaica de Israel, que na época era de 600 mil pessoas, “saiu às ruas e varou a madrugada em um estado que misturava êxtase, alívio e medo”, conta o cônsul de Israel em São Paulo e na região Sul do Brasil, Dori Goren.

Este dia foi histórico, extraordinário, muito importante para o nosso povo, porque depois de  2 mil anos de exílio, de incerteza, de não ter independência, de não ter um Estado, a comunidade internacional resolveu criar uma nação para o povo judeu”, lembra Goren.

Sinal profético
Para muitos estudiosos, como o conferencista internacional Asher Intrater, um judeu messiânico que fundou o ministério Reaviva Israel, a chegada dos 70 anos da fundação de Israel é um “sinal profético”.

Asher anunciou na Charisma, a maior revista pentecostal do mundo, que acredita que o momento que estamos vivendo é especial. “Está havendo uma aceleração do relógio para as nações, para Israel, para a Igreja, para as comunicações, para a revelação, para o avivamento, para a perseguição, para o término da grande comissão de Atos 1:18, para o derramamento do Espírito sobre toda a carne de acordo com Atos 2:17 e para a restauração de todas as coisas como descrito em Atos 3:21. O ano de 2017 representa um avanço marcante, um 'recomeço' para que as profecias apostólicas e apocalípticas se cumpram”, anunciou.

Seu pedido é que a Igreja se desperte para isso e apoie Israel, que vem enfrentando grandes ameaças nos últimos meses, sobretudo de organizações como a ONU que desejam intervir e dividir Jerusalém, o que poderá dar início a uma grande guerra.

Relação dos votos da Resolução 181
Países que votaram a favor: Canadá, EUA, Bélgica, Dinamarca, França, Islândia, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Suécia, União Soviética, Ucrânia, Bielorússia, Checoslováquia, Polónia, África do Sul, Libéria, Austrália, Nova Zelândia, Filipinas, Bolívia, Brasil, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Guatemala, Haiti, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Perú, Uruguai, Venezuela.

Países que votaram contra: Grécia, Turquia, Egipto, Cuba, Afeganistão, Índia, Irão, Iraque, Líbano, Paquistão, Arábia Saudita, Síria, Iémen.

Países que votaram com abstenção: Reino Unido, Argentina, Chile, Colômbia, El Salvador, Honduras, México, China, Etiópia, Iugoslávia.

---


Fogo para Missões
"Pois como os céus se elevam acima da terra, assim é grande o seu amor para com os que o temem; e como o Oriente está longe do Ocidente, assim ele afasta para longe de nós as nossas transgressões."
Salmos 103:11 e 12


Nesta publicação, encontramos um farto material para você estudar e refletir sobre sua vida, e também para compartilhar o As Boas Novas de Jesus Cristo sobre o perdão de pecados, quando encontrar questionamentos de corações sinceros. Vamos lá?!

É maravilhoso ser restaurado ao Senhor. Todavia, isto não significa que daí em diante não haverá problemas. Muitos crentes que são trazidos de volta para a comunhão com Deus passam por momentos terríveis de sentimento de culpa, dúvida e depressão; eles têm dificuldade para acreditar que foram realmente perdoados.

Vamos examinar a seguir algumas das dificuldades mais comuns que eles enfrentam:

1. Como posso ter certeza de que Deus me perdoou?
Você pode saber sobre isto por meio da Palavra de Deus. Ele prometeu repetidas vezes perdoar aqueles que confessarem e abandonarem seus pecados. Não há nada no universo tão certo quanto a promessa de Deus. Para saber se Deus o perdoou, você tem que acreditar em Sua Palavra. Ouça estas promessas:

“O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia.”
Provérbios 28:13

“Desfaço as tuas transgressões como a névoa, e os teus pecados, como a nuvem; torna-te para mim, porque eu te remi.”
Isaías 44:22

“Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar.”
Isaías 55:07

“Vinde e tornemos para o Senhor, porque ele nos despedaçou e nos sarará; fez a ferida e a ligará.”
Oséias 6:01

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.”
1 João 1:09

2. Sei que Ele me perdoou no momento em que fui salvo, mas, quando penso nos terríveis pecados que cometi já como crente, é difícil crer que Deus possa me perdoar. A mim parece que pequei contra uma tremenda luz!
Davi cometeu adultério e assassinato; no entanto, Deus o perdoou (2 Samuel 12:13).

Pedro negou o Senhor três vezes; todavia, o Senhor o perdoou (João 21:15 ao 23).

O perdão de Deus não está limitado aos não salvos. Ele promete perdoar os decaídos também:

“Curarei a tua infidelidade, eu de mim mesmo os amarei, porque a minha ira se apartou deles.”
Oséias 14:04

Se Deus pode nos perdoar quando éramos Seus inimigos, será que Ele vai ser menos perdoador a nós agora que somos Seus filhos?

“Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte de Seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.”
Romanos 5:10

Aqueles que temem que Deus não pode perdoá-los estão mais próximos do Senhor do que imaginam porque Deus não consegue resistir a um coração quebrantado (Isaías 57:15). Ele pode resistir aos orgulhosos e aos que não se dobram, mas não desprezará o homem que verdadeiramente se arrepender (Salmos 51:17).

3. Sim, mas como Deus perdoará? Cometi um determinado pecado e Deus me perdoou. Mas já cometi o mesmo pecado várias vezes desde então. Logicamente que Deus não pode perdoar indefinidamente.
Esta dificuldade encontra uma resposta indireta em Mateus 18:21 e 22: Então, Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Respondeu-lhe Jesus: Não digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.

Aqui, o Senhor ensina que devemos nos perdoar uns aos outros não sete vezes, mas setenta vezes sete, que é outra maneira de dizer indefinidamente.

Bem, se Deus nos ensina a perdoar uns aos outros indefinidamente, com que freqüência Ele nos perdoará? A resposta parece óbvia.

O conhecimento desta verdade não deveria nos fazer negligentes nem tampouco nos estimular a pecar. Por outro lado, esta maravilhosa graça é a mais forte razão pela qual o crente não deve pecar.

4. O problema comigo é que não me sinto perdoado.
Deus nunca pretendeu que a segurança do perdão viesse ao crente através dos sentimentos. Em um dado momento, você pode se sentir perdoado, mas depois, um pouco mais tarde, você poderá se sentir tão culpado quanto possível.

Deus quer que nós saibamos que somos perdoados. E Ele baseou a segurança do perdão naquilo que é a maior certeza do universo. A Sua Palavra, a Bíblia, nos diz que, se confessarmos os nossos pecados, Ele nos perdoa os pecados (1 João 1:09).

O importante é sermos perdoados, quer sintamos ou não. Uma pessoa pode se sentir perdoada e não ter sido perdoada. Nesse caso, seus sentimentos a enganam. Por outro lado, uma pessoa pode ser verdadeiramente perdoada e, mesmo assim, não sentir isso. Que diferença fazem seus sentimentos se a verdade é que Cristo já a perdoou?

O decaído que se arrepende pode saber que está perdoado com base na maior autoridade que existe: a Palavra do Deus Vivo.

5. Temo que, ao me afastar do Senhor, cometi o pecado para o qual não há perdão.
A recaída não é o pecado para o qual não há perdão.

De fato, há pelo menos três pecados para os quais não há perdão mencionados no Novo Testamento, mas podem ser cometidos apenas por incrédulos.

Atribuir os milagres de Jesus, realizados pelo poder do Espírito Santo, ao Diabo é imperdoável. É o mesmo que dizer que o Espírito Santo é o diabo, e, portanto, esta é uma blasfêmia contra o Espírito Santo (Mateus 12:22 ao 24).

Professar ser crente e depois repudiar completamente a Cristo é um pecado para o qual não há perdão. Este é o pecado da apostasia mencionado em Hebreus 6:04 ao 06. Não é a mesma coisa que negar a Cristo. Pedro fez isto e foi restaurado. Este é o pecado voluntário de calcar aos pés o Filho de Deus, fazendo de Seu sangue algo impuro, e desprezando o Espírito da graça (Hebreus 10:29).

Morrer na incredulidade é imperdoável (João 8:24). Este é o pecado de recusar-se a crer no Senhor Jesus Cristo, o pecado de morrer sem arrependimento e sem fé no Salvador. A diferença entre o verdadeiro crente e aquele que não é salvo é que o primeiro pode cair várias vezes, mas se levantará novamente.

“O Senhor firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz; se cair, não ficará prostrado, porque o Senhor o segura pela mão.”
Salmos 37:23 e 24

“Porque sete vezes cairá o justo e se levantará; mas os perversos serão derribados pela calamidade.”
Provérbios 24:16

6. Creio que o Senhor me perdoou, mas eu não consigo perdoar a mim mesmo.
Para todos aqueles que alguma vez na vida já tiveram uma recaída (e será que existe algum crente que jamais caiu, de uma forma ou de outra?), esta atitude é bastante compreensível. Sentimos nossa completa incapacidade e nosso fracasso de maneira tão profunda.

No entanto, a atitude não é razoável. Se Deus perdoou, por que eu me permitiria ser afligido por sentimentos de culpa?

"A fé afirma que o perdão é um fato e se esquece do passado – exceto como uma advertência saudável para não nos afastarmos do Senhor novamente."
William MacDonald

---


Fogo para Missões
"A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação."
Romanos 10:09 e 10



Todos os anos, em nossa igreja (Calvary Curitiba), realizamos um evento especial na Páscoa, aproveitando esta importante celebração, para anunciar a Salvação em Jesus Cristo. Eu quero compartilhar aqui, a reflexão que foi compartilhada este ano, juntamente com um apelo à salvação.

Esta reflexão não segue nenhum formato de "passos para a salvação", mas uma reflexão bíblica, que visa esclarecer a razão do Evangelho ser a Boa Notícia para nós, a humanidade. O texto não pretende ser a carta definitiva sobre o que é o Evangelho mas, certamente, servirá para sua reflexão e, principalmente, base para suas ações de evangelismo pessoal. 

O Evangelho, as Boas Novas de Jesus Cristo
Toda vez que anunciamos o Evangelho (εὐαγγέλιον - iuanguéliom), estamos proclamando as Boas Novas de Jesus Cristo. Pois este é o significado literal da palavra Evangelho: boas novas ou boas notícias. Porém, de modo geral, toda boa notícia é precedida de um cenário ruim.

Quando temos a boa notícia sobre a cura de uma enfermidade, por exemplo, é por que existe uma enfermidade, ou a solução de um problema, é porque há um problema que precisa ser solucionado. Da mesma forma, o Evangelho é a Boa Notícia de Jesus Cristo, pois nós (a humanidade) estamos em uma situação muito ruim, temos um grande problema: a nossa natureza de pecado.

A Lei de Moisés e o Pecado do Homem
Através da Lei de Moisés nossos pecados (ἁμαρτάνω – ramartano) se tornaram evidentes! Descobrimos que simplesmente erramos o alvo, que somos incapazes de ganhar nossa salvação através nossas próprias obras, Tiago 2:10 revela que “qualquer um que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos".

Basta um exemplo. Qual nome damos a quem rouba uma caneta? Ladrão. E quem de nós nunca pegou algo que não lhe pertencia, por menor que fosse o objeto?! Assim, confessamos que tropeçamos no ponto que diz “não furtarás”. Da mesma forma, poderíamos citar outros pontos, e em mais um deles (ou vários) tropeçaríamos mais uma vez. Observe que toda a Lei é composta por regras fáceis de entender, mas praticamente impossíveis de cumprir. A Lei de Moisés grita aos nossos ouvidos: você não consegue!

Com isso, só podemos reconhecer o que Paulo declara em Romanos 3:23 ao afirmar que “todos pecaram e estão afastados da presença de Deus”, e esta é a pior notícia que nós (a humanidade) poderíamos ouvir: toda a humanidade é escrava do pecado, e consequentemente, do seu salário. E Paulo nos fala, em Romanos 6:23, qual o salário do pecado: "a morte (...)”.

A Graça de Deus e o Sacrifício de Jesus
Contudo, esta sentença não acaba aí, pois Deus manifestou a sua Graça (χάρις - rahrés). E o que é a Graça de Deus, se não o favor de Deus, mas também é um presente de Deus, uma alegria e um prazer para o próprio Senhor Deus, ainda que não sejamos dignos.

Romanos 5:08 e Atos 2:24 nos revelam que “Deus demonstra seu amor por nós, pois Jesus morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores” e também que “Deus ressuscitou Jesus dos mortos, rompendo os laços da morte, porque era impossível que a morte o detivesse”.

Conseguimos entender o que Paulo quer dizer em Romanos 3:24 e 25 ao revelar que, sim, todos pecaram e estão afastados da glória de Deus, mas aqueles que creem “são justificados gratuitamente, por sua graça, através da redenção que há em Cristo Jesus, a quem o próprio Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, através da fé, para manifestar a sua justiça”.

Conseguimos compreender quando, em Romanos 6:23, ele conclui dizendo que, se por um lado o salário do pecado é a morte, por outro lado, "o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor".

O Convite de Deus e a Resposta do Homem
Assim, sabemos que não é através algo corruptível, como prata ou ouro, que aquele que crê, é resgatado do peso do pecado e da morte, mas pelo precioso sangue de Cristo, como de cordeiro sem defeito e sem culpa.

É este sacrifício que nos garante salvação (σῴζω - sotzo), ou seja, que não sejamos punidos por nossos pecados, mas resgatados da morte, pois Jesus realizou aquilo que era impossível ao homem. Ele assumiu o nosso lugar na cruz, portanto nos chama ao arrependimento e para crer.

Se você crer, Ele é o resgate da maldição da lei, Ele te torna justo, através de seu próprio sangue, pois Ele venceu a morte, para que você possa ter, junto com Ele, a Vida Eterna. Esta é a Boa Notícia de Jesus Cristo, que nossa alma tanto esperava, este é o poder do Evangelho.

E, ainda, no Evangelho de João 7:37, Jesus mesmo faz um convite para mim e para você: "se você tem sede, venha até mim, e beba". Pois conforme Paulo escreveu em Romanos 10:09, "se, com a nossa boca, confessarmos Jesus como Senhor e, em nosso coração, crermos que Deus o ressuscitou dentre os mortos, seremos salvos”.

Podemos dizer então, que estes são os dois únicos passos que precisamos, e até mesmo, que podemos dar, para a salvação: confessar e crer, pois Jesus já realizou o penoso trabalho que não poderíamos, jamais, realizar.

---

Utilizando este material para o Evangelismo Pessoal
Você pode utilizar este texto para evangelização, anunciando assim as Boas Novas de Jesus Cristo.

Você percebeu que este texto passeia de forma simples pelas Escrituras, para que seu ouvinte possa acompanhar, enquanto você segue anunciando as Boas Novas, portanto ore sempre para que o Senhor fale através de você, e que o Espírito Santo opere através de Suas palavras, pois é Ele quem trabalha nos corações, não nossa eloquência ou conhecimento.

Lembre-se que não é a repetição de uma oração que salva, mas a graça de Deus (pela fé). Mas, sempre que possível, ore com seu ouvinte, e faça um convite pessoal para que ele possa declarar sua fé em Jesus, como seu Senhor e que Deus o ressuscitou. 

Lembre-se também que nosso chamado não é o de anunciar apenas, e de qualquer maneira, mas o de ensinar a guardar tudo o que o Senhor tem nos mostrado, portanto esteja disposto a caminhar com esta pessoa em discipulado, ou conduzi-la ao grupo de discipulado de sua igreja.

Procure evangelizar em duplas, é importante para que haja segurança, testemunho, e intercessão durante o compartilhar (além de um modelo bíblico).

Que o Senhor Jesus te acompanhe!

"Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém."
Mateus 28:19 e 20

Fonte: Edinelson F. Lopes (Fogo para Missões).