"Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração."
Jeremias 29:12 e 13


Se o sustento financeiro tem permitido o avanço da obra missionária, não menos importante é sustentá-la também em oração. Sem a intercessão, o trabalho missionário seria meramente humano. O povo de Deus precisa interceder pelos perdidos, pelos vocacionados e pelos missionários.

1. Oração de intercessão pelos perdidos
1.1. Interceder pelos perdidos é uma questão teológica
Por que precisamos orar por missões? Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento apresentam os fundamentos da intercessão missionária.

1.1.1. Em reconhecer a degradação do gênero humano - Eis o ensinamento da Palavra de Deus: “Não há nenhum justo, nem um sequer; não há ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Todos se desviaram , tornaram-se juntamente inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer (...) pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:10, 11 e 23).

1.1.2. Em reconhecer que o destino daqueles que morrem sem Cristo é o tormento eterno - “Os ímpios irão para o inferno, sim todas as nações que se esquecem de Deus” (Salmos 9:17). “Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e os seus anjos. E irão estes para o castigo eterno” (Mateus 25: 41 ao 46).

1.1.3. Em reconhecer que não há outro meio de salvação – “E em nenhum outro há salvação, pois também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4:12). “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:06). “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé...” (Efésios 2:08).

1.1.4. Em reconhecer que a pregação do Evangelho é o método de Deus para que os homens sejam salvos – “A fé vem pela pregação e a pregação pela palavra de Cristo” (Romanos 10:17). Mas, “Como crerão, se não há quem pregue?” (Romanos 10:15). “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Marcos 16:15 e 16).

1.2. Interceder pelos perdidos é um ato de compaixão e demonstração de amor
1.2.1. A intercessão de Abraão pela por Sodoma - “Destruirás também o justo com o ímpio? Se porventura houver cinqüenta justos na cidade (...), quarenta e cinco (...), quarenta (...), trinta, (...) dez justos na cidade, destruirás e não pouparás o lugar por causa dos justos que ali estão?” (Gênesis 18:23 ao 33).

1.2.2. A intercessão de Moisés pelo povo idólatra - “Oh! este povo cometeu um grande pecado, fazendo para si deuses de ouro. Agora, pois, perdoa o seu pecado; ou se não, risca-me do teu livro que tens escrito” (Êxodo 32:31 e 32).

1.2.3. A intercessão de Paulo pelo seu povo - “Digo a verdade em Cristo, não minto, dando testemunho comigo a minha consciência no Espírito Santo, que tenho grande tristeza e incessante dor no meu coração. Porque eu mesmo desejaria ser separado de Cristo, por amor de meus irmãos, que são meus parentes segundo a carne. Irmãos, o bom desejo do meu coração e a minha súplica a Deus por Israel é para a sua salvação” (Romanos 9:01 ao 03; 10:01).

1.2.4. A intercessão de Jesus pelos seus perseguidores -“(...) E pelos transgressores intercedeu” (Isaías 53:12). “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34). Jesus foi coerente com o seu ensinamento: “Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste” (Mateus 5:44, e 45).

1.3. Interceder pelos perdidos é um ministério
Deus tanto nos confiou o ministério da reconciliação (II Coríntios 5:18 ao 20) como o ministério da intercessão (I Timóteo 2:01 ao 08). Estes dois ministérios estão interligados entre si e se completam para a execução da obra missionária.

1.3.1. O ministério da reconciliação foi confiado aos reconciliados – “Tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação” (II Coríntios 5:18).

1.3.2. O ministério da reconciliação consiste na obra de Deus em Cristo pelo mundo – “A saber, que Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo , não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação” (II Coríntios 5:19). “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (II Coríntios 5:21). “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual a si mesmo se deu em resgate por todos (...)” (I Timóteo 2:05 e 06).

1.3.3. Os que promovem o ministério da reconciliação são chamados de “embaixadores – “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio” (II Coríntios 5:20) . “Para isto fui designado pregador e apóstolo (afirmo a verdade, não minto), mestre dos gentios na fé e na verdade” (I Timóteo 2:07).

1.3.4. Os que exercem o ministério da reconciliação são cooperadores com Deus - “E nós, na qualidade de cooperadores de Deus, também vos exortamos que não recebais em vão a graça de Deus” (II Coríntios 6:01).

1.3.5. O ministério da intercessão deve ser ministrado em favor de todos os homens - “Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens” (I Timóteo 2:01).

1.3.6. O ministério da intercessão alegra o coração de Deus – “Isto é bom e aceitável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade” (I Timóteo 2:03 e 04).

1.3.7. O ministério da reconciliação e o ministério da intercessão devem ser levados a sério - “Não dando nós nenhum motivo de escândalo em coisa alguma, para que o ministério não seja censurado” (II Coríntios 6:03). “Quero, portanto, que os varões orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira e sem contenda” (I Timóteo 2:08).

1.3.8. O ministério de intercessão é voltado aos perdidos de duas formas:
1.3.8.1. Pelos perdidos que já estão sendo alcançados – São povos que gozam do privilégio de ter o testemunho cristão através do ministério das igrejas locais e das agências missionárias. Estes são os principais motivos de oração por eles: Por um despertamento espiritual e missionário das igrejas, para que elas sejam realmente sal da terra e luz do mundo. Que Deus faça cessar as ondas de escândalos que mancham a imagem do Evangelho. Por um espírito de santidade, unidade e sacrifício na vida dos crentes e dos pregadores das Boas-novas. Que Deus quebrante os corações endurecidos, que continuam resistindo à mensagem de salvação. Por aqueles que “fecham o reino dos céus diante dos homens; pois, não entram, nem deixam entrar os que estão entrando” (Mateus 23:13). Para que haja uma unidade de propósitos do povo de Deus, como diz o apóstolo Paulo: “Rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo, e pelo amor do Espírito Santo, que luteis juntamente comigo nas vossas orações por mim a Deus, para que eu seja livre dos rebeldes da Judéia” (Romanos 15:30 e 31). “(...) a nós nos perseguiram, e não agradam a Deus, e são contrários a todos os homens, e nos impedem de falar aos gentios para que sejam salvos (...)” (I Tessalonicenses 2:14 ao 16).

1.3.8.2. Pelos perdidos que ainda não foram alcançados – Estes são os principais motivos de oração: Pela abertura de portas ainda fechadas para a pregação do Evangelho – que todo o cinturão de resistência seja quebrado pelo poder de Deus, em nome do Senhor Jesus. Para que estes povos possam buscar a Deus, como está escrito: “Para que o restante dos homens busque ao Senhor, sim, todos os gentios, sobre os quais o meu nome é invocado” (Atos 15:17). Para que Deus desperte vocacionados para trabalhar com esses povos, pois a seara é grande com tão poucos trabalhadores. Pelos missionários que estarão ministrando a estes povos, a fim de que tenham muita sabedoria, poder do espírito, amor sacrificial e perseverança. Pelos novos decididos e as igrejas plantadas entre os não-alcançados, para que tenham a paz e a proteção do Senhor (Atos 9:31). O apóstolo Paulo, entendendo que o Evangelho deveria ser pregado no mundo todo, tinha como prioridade, em seu ministério, alcançar os povos não evangelizados: “(...) De modo que desde Jerusalém e arredores, até a Ilíria, tenho divulgado o evangelho de Cristo; deste modo esforçando-me por anunciar o evangelho não onde Cristo houvera sido nomeado, para não edificar sobre fundamento alheio, antes, como está escrito: Aqueles a quem não foi anunciado, o verão; e os que não ouviram, o entenderão” (Romanos 15:19 ao 21). Cada igreja deveria adotar em oração um dos povos não-alcançados. Deus, certamente, através deste ministério da intercessão, haverá de preparar o coração daquele povo para ouvir o Evangelho; abrirá portas fechadas e levantará missionários para lhes levar a palavra de Deus.

1.4. A oração do justo pode muito em seus efeitos (Tiago 5:16)
Esta história aconteceu em Belarus (também conhecida como Bielo-Rússia) e fala sobre o ministério da intercessão. Lá pela década de 1930, um servo de Deus que estava morando em outro país e foi visitar a sua terra natal – Belarus. Ele gostaria muito de evangelizar o seu povo, mas como não estava com muito tempo , contratou um carroceiro para percorrer uma certa região e interceder a favor de cada aldeia. Dirigia-se à parte mais alta, onde pudesse ver a aldeia e, com as mãos estendidas, orava pelo respectivo lugarejo. O irmão carroceiro não estava crendo que aquele método iria dar resultado. Depois de ter passado e orado por várias localidades, o intercessor perguntou a ele se ainda havia outra aldeia da região por onde ainda não tinham passado. O nosso irmão carroceiro, por não crer naquela obra e pelo fato de todos estarem exaustos (inclusive seu cavalo), disse que não faltava mais nenhuma, porém mentiu, pois ainda tinha uma aldeia não alcançada através do seu ministério de intercessão. Eles então deram a tarefa por encerrada. Qual foi o resultado? Depois de algum tempo o Evangelho de Jesus começou a florescer em cada uma daquelas aldeias que tinham sido alvo das orações daquele servo de Deus; pessoas começaram a se converter e igrejas foram implantadas. Somente numa cidade isto não aconteceu: naquela que foi negligenciada pelo carroceiro. O ministério de oração é uma obra de fé, “pois sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11:06). Certa vez, os muçulmanos comentaram que foram as orações dos crentes que derrubaram o regime comunista na União Soviética. Eles tem razão: “As armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo o baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo” (II Coríntios 10:04 e 05). São muitas as fortalezas a serem demolidas, inclusive a dos muçulmanos, e isto, segundo eles mesmos reconhecem, será feito através do ministério da intercessão.

2. Ministério de intercessão por vocacionados
Estamos com crise de vocacionados para missões, ou não? Para responder com exatidão a esta pergunta teríamos que fazer uma pesquisa nas igrejas, nos seminários e nas juntas missionárias. Provavelmente ficaríamos contentes com os números, mas decepcionados depois do processo de seleção, pois “muitos são chamados, mas poucos escolhidos” (Mateus 20:16). Se considerarmos ainda as famílias que acabam retornando dos campos por vários motivos - como a falta de adaptação, a insuficiência de sustento, dificuldades burocráticas para permanência no país, enfermidades, problemas pessoais etc. os que permanecem, no final das contas, é verdadeiramente um pequeno número. E esses poucos missionários acabam ficando sobrecarregados. Este é o caso, por exemplo, dos missionários das igrejas da CBB que estão no Leste Europeu. Somos somente três famílias para supervisionar o trabalho de cerca de 150 obreiros da terra espalhados por vários países. Quando alguém nos pergunta sobre a nossa maior necessidade, respondemos que é a falta de obreiros. “E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando toda as doenças e enfermidades entre o povo. Vendo ele as multidões, tinha grande compaixão delas, porque andavam desgarradas e errantes, como ovelhas que não têm pastor” (Mateus 9:35 e 36). O perfil das multidões dos dias de hoje tem sido diferente daquele apontado por Jesus? O sentimento dele foi de compaixão, e o nosso, qual é? O Senhor disse que “na verdade a seara é grande, mas os trabalhadores são poucos” (Mateus 9:37). Porventura este verbo “ser” mudou de tempo? A seara deixou de ser grande e os trabalhadores agora são muitos? Temos atendido a este pedido de oração de Jesus? “Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara” (Mateus 9:38). Existe uma outra maneira mais eficiente de despertar vocações missionárias do que através do ministério da intercessão?

2.1. A igreja precisa consagrar os seus membros para a obra missionária
Foi em uma atmosfera de muita espiritualidade que Paulo e Barnabé foram enviados como missionários: “Enquanto eles ministravam perante o Senhor e jejuaram, disse o Espírito Santo: Separai-me a Barnabé e a Saulo para a obra que os tenho chamado. Então, depois que jejuaram, oraram e lhes impuseram as mãos, os despediram” (Atos 13:02 e 03). São igrejas que contribuem financeiramente e oram por missões, mas só que delas não estão saindo obreiros. Cada igreja precisa ser um celeiro de missionários. Uma pequena igreja do interior dos EUA começou a orar para que Deus levantasse do seu meio alguém para evangelizar o mundo, e este pedido de oração foi atendido quando Deus chamou um dos seus membros para levar a Palavra de Deus até os confins da terra. Seu nome? Billy Graham, reconhecido como o maior evangelista da era moderna. Assim como Isaías entendeu que a chamada do Senhor era para ele, e respondeu com prontidão “Eis-me aqui, envia-me a mim” (Isaías 6:08), a sua igreja deve personalizar o pedido de Jesus, orando assim: “Rogamos que tu, Senhor da seara, envie trabalhadores da nossa igreja para a tua seara. Eis-nos aqui, envia-nos a nós”.

2.2. Os pais precisam consagrar seus filhos para missões
Seguindo o exemplo de Ana: “(...) Eu sou aquela mulher que aqui esteve contigo, orando ao Senhor. Por este menino orava eu, e o Senhor atendeu a petição que eu lhe fiz. Por isso eu também o entreguei ao Senhor por todos os dias que viver, ao Senhor está entregue” (I Samuel 1:26 ao 28). Grigory é um dos nossos missionários da terra em Belarus (Bielo-Rússia). Ele é filho de pastor e quem ajudou a criá-lo foi uma cigana que era crente e o membro mais fervoroso da igreja. Na hora da sua morte ergueu as suas mãos para os céus, intercedeu pelos ciganos e pediu para que Deus usasse o Grigory (então com 12 anos de idade) para levar o Evangelho ao seu povo. Depois, deu um suspiro e morreu. O menino foi crescendo e esquecendo daquela oração. Depois de alguns anos recebeu a chamado do Senhor para ser um missionário, só que estava ministrando a Palavra do Senhor somente aos russos. Numa certa campanha evangelística, uma jovem senhora cigana, chamada Tamara, converteu-se. Quando Grigory começou a dar-lhe assistência espiritual, descobriu que ela era parente daquela irmã que há 20 anos tinha feita aquela oração. Tamara tem uns 500 parentes espalhados por aquela região, e quando ele começou a visitá-los e ficaram sabendo que ele fora criado por aquela irmã cigana, disseram-lhe o seguinte: “Se você foi criado por uma cigana, e que foi a nossa parente, mesmo sendo branco, você é um dos nossos”. Com isto sentiu a confirmação da sua chamada para evangelizar os ciganos e muitos têm se convertido através do seu ministério.

Se hoje estou vivo e sou um missionário, foi porque a minha mãe me entregou ao Senhor. Com três meses de vida estava internado em um hospital em Minas Gerais; o meu estado se agravou ao ponto do médico me desenganar e aconselhar a minha mãe que deveria ir para casa e preparar o caixão. Ela, porém, passou a noite toda em oração, e ajoelhada perante o Senhor, dizia: “Se for para ele se recuperar e ao crescer se desviar dos teus caminhos, vivendo uma vida dissoluta, é melhor que morra agora, pois ficarei conformada. Mas, se for para te servir e ser uma bênção em tuas mãos, então eu o consagro a ti, seja feita a tua vontade”. Para que jamais eu viesse a esquecer que existo para servi-lo, Deus permitiu que passasse por uma segunda experiência semelhante, desta vez, já com a idade de 14 para 15 anos, quando fui acometido por uma grave pneumonia. Internado em um hospital de Goiânia, fui considerado em estado terminal pelos médicos. Entretanto, pelas orações da minha família e de toda a Primeira Igreja Batista de Goiânia, Deus restaurou a minha saúde e confirmou a minha chamada para o ministério da palavra. Com base na Bíblia e na minha própria experiência, incentivo a você, pai, e a você, mãe, que intercedam pelos seus filhos, entregando-os ao Senhor para servi-lo.

3. O ministério de intercessão pelos missionários
3.1. Você pode lutar com os missionários através das suas orações
Rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo, que luteis juntamente comigo nas vossas orações por mim a Deus”. (Romanos 15:30)

3.2. Você pode ajudar os missionários com as suas orações
Ajudando-nos também vós com orações por nós, para que, pela mercê que por muitas pessoas nos foi feita, por muitos também sejam dadas graças a nosso respeito, pelo benefício que nos foi concedido por meio de muitos”. (II Coríntios 1:11)

3.3. Alguns motivos de oração pelos missionários
• Por abertura de portas à pregação do Evangelho
Suplicai ao mesmo tempo, também por nós, para que o Deus nos abra porta à palavra (...)” (Colossenses 4:03)

• Para que haja sabedoria e ousadia na proclamação do Evangelho
Para que me seja dada a palavra, no abrir da minha boca, para com intrepidez, fazer conhecido o ministério do evangelho (...) para que nele eu tenha coragem para falar como devo falar.” (Efésios 6:19 e 20).

• Por livramento
Rogo-vos, irmãos , por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que luteis juntamente comigo nas vossas orações por mim a Deus, para que eu seja livre dos rebeldes que estão na Judéia” (Romanos 15:30 e 31). “Porque uma porta grande e eficaz se me abriu; e há muitos adversários” (I Coríntios 16:09). “Para que sejamos livres de homens perversos e maus; porque a fé não é de todos” (II Tessalonicenses 3:02).

• Por consolo nas provações
E a nossa esperança acerca de vós é firme, sabendo que, como sois participantes das aflições, assim o sereis também da consolação... ajudando-nos também vós com orações por nós.” (II Coríntios 1:07 e 11).

• Pelos projetos missionários
Pelo que também muitas vezes tenho sido impedido de ir ter convosco; mas agora, não tenho mais o que me detenha nestas regiões, e tenho já há muitos anos grande desejo de visitar-vos, eu o farei quando for a Espanha; pois espero ver-vos de passagem e por vós ser encaminhado para lá, depois de ter gozado um pouco da vossa companhia. Mas agora vou a Jerusalém para ministrar aos santos (...) tendo, pois, concluído isto, e havendo-lhes consignado este fruto de lá, passando por vós irei a Espanha e bem sei que, quando for visitar-vos, chegarei na plenitude da benção de Cristo. Rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito Santo, que luteis juntamente comigo nas vossas orações por mim a Deus” (Romanos 15:22 ao 25, 28 ao 30).

Veja quão desafiadores eram os projetos que Deus tinha colocado no coração de Paulo! E ele pede, com encarecimento, que os irmãos o apoiem em oração. Do mesmo modo cada igreja precisa adotar em oração os projetos dos seus missionários. Pela prosperidade da obra. Ore para que o missionário seja bem-sucedido em tudo que fizer, segundo a promessa do Senhor registrada em Salmos 1:03.

A maioria dos missionários trabalha em terrenos áridos; eles gostariam muito que a obra em seu campo estivesse se propagando assim com acontece na sua igreja aqui do Brasil. Isto é possível através do ministério da oração. “Irmãos, orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague e seja glorificada, como também o é entre vós” (II Tessalonicenses 3:01). Pela família do missionário. Quantas famílias de missionários têm voltado dos campos por causa de problemas familiares. Se a família não estiver bem, o ministério também não estará. Por isso, a Palavra de Deus recomenda que o obreiro “governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus?” (I Timóteo 3:04 e 05). Ouvi de um pastor amigo o seguinte testemunho. Para ser coerente com a Palavra de Deus, no início do seu ministério fez ele um voto a Deus, que se um dos seus filhos se afastasse do evangelho, ele abandonaria o ministério. Hoje, os seus filhos já crescidos, causam grande alegria ao seu coração, pois permanecem firmes no caminho do Senhor e muito ativos na vida da igreja. Deus é fiel!

3.4. Motivos de oração pelas famílias dos missionários
3.4.1. Harmonia – Sem sombra de dúvida, a causa de Cristo em muito sofrerá se houver desarmonia nos três níveis familiares: entre os cônjuges, entre os pais e filhos e entre os irmãos. O ministério será muito mais difícil se não houver aquela união de que fala o apóstolo Paulo: “Para que tenhais o mesmo modo de pensar, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, pensando a mesma coisa” (Filipenses 2:01 ao 05). Sabendo que Satanás procura desajustar a família dos pastores e missionários para destruir a obra de Deus, intensifiquem as suas orações por eles.

3.4.2. Adaptação ao campo – Se não acontecer uma boa adaptação, talvez a família missionária não conseguirá resistir às pressões e dificuldades do campo e acabará voltando. Que os missionários amem o povo a quem estão servindo e possam declarar como Rute: “O teu povo será o meu povo” (Rute 1:16). E Boaz a elogiou dizendo: “Bem me contou tudo quanto tens feito para com a tua sogra depois da morte do teu marido; como deixaste a teu pai e a tua mãe e a terra onde nasceste, e vieste para um povo que dantes não conhecias. O Senhor recompense o que fizeste, e te seja concedido pleno galardão da parte do Senhor de Israel, sob cujas asas vieste abrigar” (Rute 2:11). Que estas palavras sejam aplicadas a cada família dos missionários que deixam o seu povo e a sua pátria para servir a Deus em uma terra estranha. Ao orarmos por esta adaptação no campo, precisamos também pedir ao Senhor que os ajude na abertura e renovação dos seus vistos de permanência no respectivo país, que na maioria das vezes é uma situação muito complicada.

3.4.3. Necessidades materiais – A maioria das pessoas passa por dificuldades materiais. Os missionários não são diferentes. Sendo que eles estão distante das suas igrejas e dos seus familiares. Temos que interceder para que vivam dignamente dentro do seu orçamento. Temos que pedir a Deus que afaste toda a ansiedade dos seus corações e supra todas as suas necessidades. É preciso orar para que as igrejas, em parceria com as juntas missionárias, sustentem condignamente seus pastores e missionários: “Devem ser considerados de dobrados honorários os presbíteros que presidem bem, com especialidade os que se afadigam na palavra e no ensino. Pois a Escritura declara: Não amordaces o boi, quando pisa o grão. E ainda: O trabalhador é digno do seu salário”(I Timóteio 5:17 e 18).

3.4.4. Saúde – Se nós, na Romênia, onde temos bons médicos, oramos a Deus para não ficarmos doentes, por causa dos altos custos de tratamento, que poderíamos dizer daqueles missionários que trabalham em países onde o sistema de saúde não oferece as mínimas condições? Muitos dos nossos obreiros estão expostos à radioatividade, a malária, a epidemias diversas e a tanta pestilência. Sabendo que os nossos missionários estão no campo de batalha, e sendo alvos de tantas enfermidades, que podem impor sérias restrições à obra, cabe a você sustentá-los com as suas orações, pois “a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará” (Tiago 5:15).

3.4.5. Educação escolar dos filhos – Este foi um problema que tivemos que enfrentar quando chegamos ao campo. Pelo fato de o Governo romeno não oferecer estudo gratuito para estrangeiros, tivemos que matricular nossos filhos numa escola particular fundada por missionários que estavam na mesma situação. Isto, evidentemente, implicou em encargos financeiros para a família.

Outro problema que surge é quando os filhos terminam o segundo grau e precisam deixar a casa dos pais para estudarem fora. Em 2004 era a vez do autor deste texto chorar pela partida da nossa filha Claryssa. Ela viria a fazer muita falta, e o que mais preocupava seus pais era o futuro de sua filha. Eles oravam para que Deus lhe abrisse todas as portas de uma universidade e suprisse todas as suas necessidades.

São muitos os missionários que se encontram em situações semelhantes com relação aos filhos. Ajude-os em oração!

Conclusão
O Senhor deseja que cada igreja desenvolva o seu ministério de intercessão pela obra missionária, pois “é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador” (I Timóteo 2:03).

Que você participe deste ministério Samuel disse: “Longe de mim esteja o pecar contra o Senhor, deixando de orar por vós” (I Samuel 12:23). Está escrito no livro do profeta Isaías que o Senhor “maravilhou-se de que não houvesse intercessor” (Isaías 59:16). Será que Ele ainda continuará admirado em nossos dias pela falta de intercessores?

Que o divino intercessor possa despertar o seu povo para o ministério da intercessão. “Jesus tem o seu sacerdócio imutável. Por isso também pode salvar totalmente os que por ele chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hebreus 7:25).

Baseado no texto original de Gerson Tomaz Pereira.

Observação: Não encontremos nenhuma informação sobre o Missionário Gerson Tomaz Pereira em redes sociais, não sabemos em qual nação ele estava servindo ao Senhor, nenhuma informação, mas oramos para que tanto ele quanto sua família, sua filha Claryssa estejam bem, no Senhor.

Fogo para Missões