#59 - OMAR AL BASHIR AFIRMA QUE NADA VAI ACONTECER AOS SUL-SUDANESES, CONTINUE ORANDO

"Orai sem cessar."
I Tessalonicenses 5:17



Confusão sobre o que fazer diante de meio milhão de pessoas de etnia do Sul-Sudanezas até domingo, o prazo para que eles saiam do Sudão ou formalizar sua situação no país. Um trabalhador não-governamental disse que funcionários do Sul foram enviados para o Sudão para reconfortar o povo, dizendo-lhes para não entrar em pânico.

O dia 8 abril, terminou o tempo liminte, um chamado "período de carência" após a separação do Sul do Sudão em julho passado, depois de um esmagador "sim" num referendo sobre a independência que se seguiu a mais longa guerra da África do civil. O conflito de 22 anos matou mais de dois milhões de pessoas e levou muitos mais para o norte do país.  Enquanto centenas de milhares de pessoas já retornaram para o sul, uma estimativa de 500.000 permanecem no Sudão, à espera de uma direção clara sobre o que fazer.

"Até agora, não sabemos o que está próximo", disse Canon Sylvester Thomas, diretor da All Saints Episcopal Sé, em Cartum. Ele falou por telefone de Juba, capital Sul-Sudanêsa, para onde tinha voado no sábado (07/04), para obter um passaporte da nova nação. Apenas após a obtenção do documento é que ele pretende voltar a Cartum para registrar sua presença.

Isso, segundo ele, é onde a incerteza reside. Sua esposa e filhos que são estudantes universitários, já haviam obtido seus documentos e voltado para a capital sudanesa, mas não tinham informações sobre o que fazer para se tornar oficialmente residente no Sudão, disse Thomas, "Nós não sabemos como vamos para regularizar nossa situação", disse ele. "Há muitos sulistas que gostaria de ficar", ou porque eles ainda estão trabalhando no norte, são ex-funcionários públicos à espera de indenização ou, como Thomas, têm filhos em universidades ou outras escolas, disse ele.

O governo de Cartum havia demitido membros étnicos do sul de suas funções públicas antes da independência do sul, aqueles que procuram aplicar para a residência do Norte precisará de documentos do Sul Sudão.

Jill Helke, chefe da Organização Internacional para Migrações (OIM), com missão no Sudão, confirmou que as pessoas não sabem onde se devem registar. Embora não ficou claro o que iria acontecer no prazo, ela disse que os funcionários do Sul estiveram no Sudão, para dizer ao povo: "Não entre em pânico".

O prazo se encerra no domingo de Páscoa, um dos dias mais sagrados para os sulistas, em sua maioria cristãos, e também vem durante um período de alta tensão entre o Sudão eo Sul do Sudão. Conflitos de fronteiras, que surgiram há duas semanas, entre os dois vizinhos se transformou na agitação mais grave, desde a independência Juba, e levaram a comunidade internacional a temer que houvesse violentos ataques em massa, os chamados "full-blowns".

O africano Thabo Mbeki, mediador da União, se reuniu na semana passada para falar sobre a crise com o presidente do Sul do Sudão, Salva Kiir, e o seu homólogo sudanês Omar al-Bashir. Durante a reunião de Cartum e Bashir Mbeki também discutiu o futuro dos sulistas ainda no Sudão. "O presidente Bashir disse que o povo sudanês é muito hospitaleiro e há muitos africanos vivendo no Sudão. Para os sulistas, nada de negativo vai acontecer com eles e não há razão para temor entre eles.", disse Mbeki aos jornalistas.

Sob um "quadro-de-acordo", assinado pelos negociadores de Cartum e Juba, no mês passado, os nacionais de cada país tem a liberdade de residência, ao movimento e a atividade econômica no outro estado.
Ambos os países concordaram em "acelerar a sua cooperação" para fornecer identificação e outros documentos para as pessoas, mas este quadro-de-acordo ainda requer alto nível de aprovação de cada nação.

Mais de 11.000 sulistas têm vivido por meses em abrigos improvisados ​​no caminho da estação de Kosti sul de Cartum, à espera de transporte para casa. Desde o ano passado, a OIM, que depende de financiamento de doadores, tem ajudado a movimentar mais de 23.000 sulistas do Sudão a sul do Sudão, em sua maioria pelo rio, com uso de barcaças. Helke disse a OIM está cadastrando pessoas para outra viagem de barcaça de Kosti. Sudão e Sudão do Sul também organizaram alguns transportes próprios.

Fogo para Missões

0 comentários:

Postar um comentário

Você está no BlogFpM, blog oficial do ministério Fogo para Missões.

Você pode também nos acompanhar no facebook.com/fogoparamissoes, onde você poderá curtir, seguir, reagir às publicações, compartilhar, comentar, pode até deixar aquele seu "amém", mas acima de tudo, queremos que você se sinta incentivado, encorajado e provocado a envolver-se pessoalmente na proclamação do Evangelho, das Boas Novas de Jesus Cristo.

Seu comentário é importante para que possamos avaliar o alcance de nossa proposta. Se você possui site, blog ou twitter, deixe seu link para que o visitemos também! Se desejar, nos acompanhe também pelo twitter.com/fogoparamissoes.

TODOS OS COMENTÁRIOS SERÃO PUBLICADOS APÓS MODERAÇÃO.